quarta-feira, 10 de novembro de 2010

“Portuguese Joe Silvey" de Jean Barman (2004)

"The Remarkable Adventure of Portuguese Joe Silvey" publicada em 2004 é o primeiro trabalho de Jean Barman abordando a problemática da emigração açoriana para a Colúmbia Britânica.

No prefácio desta obra escreve Manuel A. Azevedo: "Existe um provérbio português que diz que Deus está em todo o lado, mas os portugueses chegaram lá primeiro."

Joe Silvey

Joe Silvey (Silva) foi um dos primeiros pioneiros portugueses a chegar ao Canadá muito antes de 1867, o ano da Confederação à qual a Colúmbia Britânica se juntou em 1871.

A história do picoense Joe Silvey iniciou-se durante a corrida ao ouro de 1858 na Colúmbia Britânica. Estes foram os anos em que a população não nativa cresceu do dia para a noite. As 1000 almas que habitavam a Colúmbia Britânica viram de um momento para o outro o seu lugar "inundado" por sonhadores à procura de riqueza. Em pouco tempo a população somava 20.000 pessoas.

Todavia, o picoense Joe Silvey não encontrou fortuna no ouro mas encontrou uma esposa nativa da localidade que mais tarde ficaria conhecida por Vancouver.


Matrimónio e fixação em Stanley Park

Silva casou com Khaltinaht, neta do lendário chefe índio Kiapilano. Após o matrimónio, o casal partiu de canoa rumo a Point Roberts onde José Silva abriu um bar (saloon) e se dedicou à pesca. Viveu em Brockton Point, a actual Stanley Park, localidade onde acabaria por encontrar outros companheiros de língua entre eles o baleeiro Peter Smith, Joe Gonsalves, o primeiro polícia de Vancouver, Tomkins Brew.

Todos eles, com excepção de Gonsalves, que permaneceu solteiro - casaram com mulheres aborígenes.

Jean Barman publicou igualmente "Stanley Park’s Secret", uma obra mais abrangente que recorda também as famílias esquecidas do Rancho kanaka, Brockton Point e Whoi Whoi.

Curiosidades sobre Joe Silvey

Silvey, que nasceu na pequena Ilha do Pico, na cidade de Calheta de Nesquim, empregou-se num navio americano aos 12 anos de idade e, eventualmente abandonou a tripulação e se estabeleceu nesta província – e 158 anos após o início da sua aventura na costa do Canadá, há mais do que 1.000 dos seus descendentes espalhados por esta província.

Joe adquiriu uma propriedade em Stanley Park, estabeleceu um negócio de pescaria, construiu o seu primeiro barco e iniciou a indústria de pesca com redes – usando a sua experiência lusitana.

Documentário

Alguns sorriram admirados… outros choraram. Foi uma experiência emocionante para todos,” assim descreveu o produtor Bill Moniz em entrevista à Voz Lusitana, referindo-se à reacção dos descendentes de Joe Silvey, quando viram o documentário “Portuguese Joe” no mês de maio de 2008.

Uma vêz cada ano os descendentes de Joe Silvey se reunem no pequeno cemitério em Reid Island, o único pedaço de terra da ilha que ainda é de propriedade do saudoso português, com o propósito de honrar a sua memória. Bill Moniz capturou em filme a emoção do momento.

Fontes / Mais informações: Straight.com / Fernando Cândido / Imdb / Lusos na diáspora / Cunnusreborn / Eduardo B. Pinto / Voz lusitana

2 comentários:

Miguel Gomes disse...

O link "documentário" está partido.
Eu gostava de ver o documentário, mas não encontro nada no Piratebay ou qualquer outro sitio onde possa fazer o download ou ver em streaming. alguém pode dar uma ajuda?

Blogger disse...

Genérico está disponível no youtube na "página" de Bill Moniz

https://www.youtube.com/watch?v=TpX-hNLqjIs