quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Gilda Valença, cantora e actriz

Gilda Valença (Ermenegilda Pereira) nasceu em 13 de Fevereiro de 1926 em Lisboa. Irmã da também cantora Ester de Abreu, começou a cantar em 1953, já no Brasil, quando gravou pela gravadora Sinter a marcha "Uma casa portuguesa", seu maior sucesso, e o bolero mambo "Vê... lá bem".

Outros temas em destaque: "Corridinho nº 1" (Melo Jr. e Silva Tavares), "Fado de Vila Franca" (João Nobre), "Lisboa antiga" (R. Portela, Vale e J. Galhardo) e "Cantiga de rua" (João Bastos e Antônio Melo).

Actuou também como actriz nas revistas "É fogo na roupa" e "Que espeto, seu Felicidade!", e continuou gravando álbuns como "Selecções de A Severa" e "Passaporte internacional".


Cinema e TV

A partir da década de 1960 passa a actuar na televisão, participando em diversas novelas da TV Tupi: "Amália" (1968), "Maria das Graças" (1971), "A Fábrica" e "Antônio Maria" (1973).

De 1966 a 1968 participou do programa de TV "Revista do Rádio em Portugal", ao lado de grandes nomes da música brasileira, sob comando do cantor Manoel Monteiro.

Sua estreia no cinema brasileiro deu-se em 1954 quando participou do filme "O Petroléo é nosso", cantando "Uma casa portuguesa".

Regressou ao cinema 19 anos depois, quando o popular actor e produtor Mazzaropi a convidou para participar nos filmes: "Portugal... minha saudade" (1973), "O Jeca macumbeiro" (1974), "Jecão... um fofoqueiro no céu" (1977) e "Jeca e seu filho preto" (1978).

Fontes: Cifra antiga / Thais Matarazzo

1 comentário:

Anónimo disse...

No http://www.mercadolivre.com.br/ tem capas mais legais.

O nome dos autores (Siqueira, Manoel Baião) está incorrecta. Também tem erros de transcrição da versão brasileira.