quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

"Madredeus" regravados por Mylene Pires (Brasil)

A literatura portuguesa ainda frequenta as prateleiras das livrarias brasileiras - graças às proezas de um Saramago, primeiro prêmio Nobel em literatura de língua portuguesa -, mas a música produzida em terras lusitanas ainda é solenemente ignoradas pelas rádios e emissoras de televisão.

Nas últimas décadas, apenas um grupo musical português parece ter alcançado relativo sucesso no Brasil - a ponto de motivar a edição de uma antologia composta exclusivamente para o mercado brasileiro -, ainda assim um sucesso que é mais mensurável por sua inevitável lotação esgotada nos concertos que aqui fizeram que, propriamente, pela presença na 'mídia'.

O Madredeus - com sua música intemporal, fincada na tradição mas moderníssima em sua concepção - ganhou fãs ardorosos de sua música no Brasil e algumas releituras interessantes de suas canções, de artistas como Rebeca Mata e Zizi Possi. Não seria exagero dizer também que o sucesso do Madredeus no Brasil, a partir dos primeiros anos da década de 1990, motivou a vinda de outros grandes músicos portugueses - gente da qualidade de uma Dulce Pontes, de uma Mariza, de uma Né Ladeiras - e o interesse de músicos brasileiros pela nova música que surgia naquele país que até há pouco era apenas uma metrópole distante, cujo traço cultural mais forte para os brasileiros residia em seu folclore e sua ruralidade pitoresca.

Se o Brasil devia à música de Portugal algum tributo, este foi bem pago pelo surgimento de =Não Muito Distante=, álbum da cantora e compositora Mylene Pires. Ela usa sua voz suave, encorpada e tão brasileira à serviço de dezesseis temas do Madredeus, abrangendo todas as fases desses vinte anos de carreira da banda portuguesa mais conhecida em todo o mundo. Apesar de ser um álbum de regravações, o trabalho de Mylene é surpreendente: a cantora não se limita a reproduzir os arranjos primorosos do Madredeus, tampouco se prende às influências dos vocais de Teresa Salgueiro, ou tenta imitar alguma alma portuguesa que se encontra com facilidade nessas canções.

O trabalho de Mylene é, deliberadamente, de recriação: ela encontrou, em cada canção do Madredeus, suas raízes brasileiras - já presente na música ou sugerida pelo espírito das letras ou pelos temas. Assim, a "Oxalá" bossanovista de Pedro Ayres Magalhães transforma-se em um candomblé suave, a emblemática O "Pastor" torna-se um forró melodioso e a belíssima "Haja o que Houver" ganha sonoridades de folia de reis. Nada, em suas recriações da obra do Madredeus, é óbvio ou gratuito. As canções tão conhecidas dos fãs do Madredeus ganham um frescor novo nessas sonoridades tão brasileiras, e a sensação que se tem é a de que "A Andorinha da Primavera" sempre fora uma marchinha carnavalesca à anos 1920, ou que "A cantiga do Campo" era um ijexá trazido às nossas fazendas de café pelos antigos escravos... Tudo é surpreendente - e belo.

Se para o fã do Madredeus uma primeira audição desses temas é um misto de estranhamento e excitação, a sensação que resta depois de algumas audições é de puro encantamento. Afinal, como explicar que soem tão bem "O Pomar das Laranjeiras" em ritmo de samba-canção ou "O Menino" - talvez uma das mais intrigantes faixas do álbum - cantado por um coral guarani acrescido das vozes rascantes de rezadeiras nordestinas? Não muito distante é um álbum de redescobertas - das letras bem construídas e das ricas melodias dos portugueses do Madredeus, da sonoridade da música brasileira, das raízes comuns entre os dois países que tanto tem em comum.

Infelizmente, como estamos em um Brasil que ainda se volta de costas às suas origens - tanto lusitanas quanto latino-americanas -, o álbum de Mylene, inteiramente gravado no Brasil, ganhou edição apenas em Portugal, que está a recebê-lo como uma das grandes novidades do ano. Oxalá a voz de Mylene consiga atravessar o oceano de volta ao lar e que aqui encontre a acolhida que merece. Pois, além de fazer um excepcional trabalho de recriação da obra de um dos mais instigantes grupos musicais de Portugal, a voz de Mylene é afinada, doce e deliciosa de se ouvir.

Fonte: madredeusbrasil.blog.com

Link: Myspace

"Oxalá"



"Pastor"



Entrevista ao Programa "Essência"



Entrevista ao Programa "Zoom Cultural"



1 comentário:

misa disse...

cara, maravilha. show, pra td mundo ver e icar com queixo caído